Treze anos sem Renato Russo: as notícias da morte em 1996

veja rrusso

Há exatos treze anos, morria Renato Russo. Fui receber a notícia próximo ao meio-dia, pela rádio. Pior que o almoço era churrasco. A mídia nacional foi monopolizada pelo assunto. Primeiro se falou em anorexia como causa-mortis; à noite, respaldados pelo depoimento do médico Saul Bteshe, já se dizia claramente: SIDA-AIDS. Gravei uma fita VHS de seis horas com tudo que pude registrar, zapeando pelos canais: tele-jornais, Programa Livre reprise… anos mais tarde apaguei porque ficou fúnebre demais… cenas do caixão dentro de uma perua, especulações sobre o estado emocional dos últimos dias do poeta. A maioria do conteúdo tinha tom de tributo, exceto o Fantástico. Na época de Bial, o “show” de domingo parecia sempre querer queimar Renato. Meses antes, numa suposta enquete do programa, o clipe do nordestino Falcão, “Homem é Homem” teria sido mais votado que “Strani Amori”, para exibição. Quando do falecimento do cantor, o Fantástico questionou as circunstâncias de sua morte, dizendo que ele optou por “morrer escondido como um gato”; e na semana seguinte, especulou que Giuliano era filho adotivo, convertendo a suposta mãe em vítima.

Anúncios

Um Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s