Marcado: Mauricio Trobo

Pequeno Mapa da Música no Cone Sul

Jorge Drexler

Há alguns dias, o músico Luciano Pavão fez um show-tributo a Jorge Drexler. Você já ouviu alguma música do homenageado? Um dos princípios deste blog é contribuir para a maior visibilidade dos valores culturais dos países próximos. O que, além da colonização histórica, justifica que se conheça muito mais os artistas do United Kingdom e dos United States do que os hermanos, aqui do lado ?
Apenas como referência, vamos traçar um modesto mapa da música da vizinhança, começando pela proximidade. Longe de uma lista completa, limitaremo-nos aos nomes que não são de todo obscuros – ou pelo destaque em sua pátria, ou porque antenados brasileiros já os “descobriram”, o que tem lógica geográfica para ocorrer com maior intensidade aqui pelo Rio Grande. A idéia é servir como introdução para a pesquisa individual mais acurada (Google nos nomes).

URUGUAI:
Começando pelo vizinho mais próximo e sobre cujos artistas, algumas informações podem ser conferidas em entrevistas aqui do blog:
o Nenhum de Nós falou amplamente sobre sua colaboração com artistas de países próximos, recomendando, por exemplo, o músico Sócio (pseudônimo de Federico Lima) e a banda No Te Va a Gustar . O cantor Thedy Correa deu canja no show do primeiro em Porto Alegre há pouco, e costuma dar uma força em seu Twitter e em seu blog para artistas que curte, como a banda gaúcha Pública.

https://marcelofialho.wordpress.com/nenhum-de-nos-em-bage/

Nei Lisboa, por sua vez, contou como imergiu no estilo uruguaio candombe na época do disco “Amém”, interagindo com músicos locais como Ruben Rada (afro-uruguaio), Mauricio Trobo e Fernando Lobo Nunez.

https://marcelofialho.wordpress.com/neilisboa/

Já Vitor Ramil, além de convidar Caetano para cantar o poeta argentino Jorge Luis Borges no disco que sai em alguns meses, colaborou antes com Jorge Drexler, uruguaio com ótimas referências: gravado por nomes como Paulinho Moska e Neneh Cherry, é dele o Oscar de Melhor Canção, pelo tema de “Diários de Motocicleta”, sobre Che, do brasileiro Walter Salles.

https://marcelofialho.wordpress.com/2009/11/02/vitorramil/

Além destes, temos o caso curioso da Legião Urbana. Os dois remanescentes do grupo tocaram em setembro no Porão do Rock em Brasília acompanhados por uruguaios. Mateo Moreno (ex-No Te Va a Gustar – baixo), Guzmán Mendaro (guitarra) e Gustavo Montemurro(teclados) como banda, além de participações de cantores das bandas La Vela Puerca e Los Traidores. Tudo começou quando foram convidados para um tributo à Legião no país vizinho.

Fito Paez

ARGENTINA

Fito Paez já teve a parceria com os Paralamas do Sucesso, “Trac Trac” e sua obra autoral é incensada muito além de seu lar. Já interagiu com muita gente da MPB. Cultuado também pelo Nenhum de Nós, banda que indica mais um nome: Gustavo Ceratti.
Pegada mais rock, temos os consagrados: o veterano Charly Garcia; Soda Stereo, banda que, como os conterrâneos Enanitos Verdes, canta “Lamento Boliviano”, de autoria misteriosa.
Ataque 77 ou A77aque.
Los Fabulosos Cadillacs.
Los Pericos (reggae).
E uma turma que tocava nas rádios de Bagé quando o idioma castelhano era alta moda, de 10 a 15 anos atrás: Los Ladrones Sueltos; Vilma Palma y Los Vampiros, e o dance El Símbolo.

Los Autenticos Decadentes, sugestão do George (ver comentários).

COLOMBIA
Daqui vêm o furacão Shakira (que já foi mais do rock antes de querer ser Madonna), o guitarrista pop Juanes, e a banda Aterciopelados.

Nos demais países adjacentes, estrelas de menor relevância global como Los Prisioneros (Chile), Flou (Paraguai) e Leusemia (Peru).

PORTO RICO
Atualmente oferece o Calle 13. Historicamente, há o fenômeno nada roqueiro: Enrique Martin Morales segue a linha romântica da qual sobrevivem Alejandro Sanz e Enrique Iglesias, hijo del hombre, no além-mar da Espanha. Mais conhecido como Ricky Martin, ele é o que sobrou do Menudo, febre oitentista ancestral da que viria há alguns anos do…

MÉXICO
…o RBD. A pátria do guitarrista Carlos Santana, porém, tem mais a oferecer: os roqueiros do Café Tacuba chamaram tanta atenção do Morrissey que ele cruzou o oceano só para entregar-lhes o VMA Latino da MTV (ou “Los Premios”) em 2009. Na cerimônia, vários nomes a prestar atenção. Muito mais radiofônicos Maná e Julieta Venegas.
Lembrando que “La Bamba” é uma canção folclórica mexicana, mas Richie Valens, que a estourou no mercado pop/rock é americano com descendência mexicana.

soda stereo

BRASILEIROS GRAVAM E HERMANOS RETRIBUEM
Entre músicos, uma prática comum é participarem de shows reciprocamente, lá e cá. O Nenhum de Nós é dos que mais promove shows dos “vizinhos” em Porto Alegre. Nei Lisboa fez isso na época que já mencionamos.
Paralamas gravaram “Loirinha Bombril”, versão de “Parate Y Mira”, do Los Pericos, e também “Música Ligeira”, versão da “De Musica Ligera” do Soda Stereo – da qual o Capital Inicial fez até mais sucesso com outra versão, chamada “À Sua Maneira”.
O Nenhum de Nós gravou em português “Polaroid” de Fito Paez.
Legião Urbana, no Acústico MTV, gravou “Hoje À Noite Não Tem Luar”, versão de “Hoy Me Voy para El Mejico’”, do Menudo. Em retribuição, teve versões gravadas por Ricky Martin (“A Via Láctea” arranjada de modo bem diferente virou “Gracias Por Pensar En Mi”) e Ataque 77 (leituras bem punk de “Fábrica” e “Perfeccion”).

Aceitamos sugestões que enriqueçam a lista, dentro dos critérios citados.

Anúncios

Nei Lisboa em Bagé – Entrevista

[ 08.10.2009 ]

A simplicidade de Nei Tejera Lisboa, 50 anos, foi conferida pelos bajeenses esta semana, quando voltou à cidade para uma performance de seu show atual, e para a divulgação de seu segundo livro, extemporânea à recente Feira do Livro local. Nei já se apresentara na AABB na época do álbum “Hein ?” lançado em 1988, e mais recentemente, em um evento da Ajuris, no Clube Comercial. Desta feita, o artista veio na véspera da agenda a cumprir, antes da banda e produção. Foi pauta em vários veículos de imprensa, e atração-relâmpago das “variedades” de tele-jornal local.

Um Nei naturalmente indiferente aos cliques, acompanhado pelo entrevistador-fã exibindo um autógrafo

Um Nei naturalmente indiferente aos cliques, acompanhado pelo entrevistador-fã exibindo um autógrafo

TRINTA ANOS DE NÃO-ESTRELISMO
“Ser acessível faz parte do meu show”, define um Nei coerente com seu discurso, já no saguão do hotel, onde desceu para uma conversa de cerca de quarenta minutos. O músico cogitou a transferência do bate-papo para uma cafeteria, caso o som de uma televisão no recinto interferisse na gravação. Tal acessibilidade por parte de um artista consagrado, rara em qualquer constelação, acompanha o compositor desde sempre. Ao cumprimentar Paulinho Supekóvia, Nei qualificou de “lenda viva” o guitarrista que tem sido seu escudeiro há duas das três décadas de estrada.
“O estrelismo não é meu mundo. Sempre que tentei, me senti um peixe fora d´água em qualquer situação do gênero. Acho que é uma recusa mútua”, brinca, referindo-se ao showbusiness. Apesar da timidez confessa, Nei chegou a percorrer a via crucis de todo artista gaúcho em busca de projeção nacional: entre 1987 e 88, contratado pela EMI, rumou para o Rio de Janeiro, apareceu na grande mídia. Mas os planos foram interrompidos por um acidente automobilístico que vitimou sua então namorada Leila Espellet. Isso motivou uma inversão da escala de valores do artista: “Aquele mundo se desfez e iniciou o trabalho do disco Amém.”
Permanecendo relevante no cenário gaúcho sobretudo, Nei hoje mantém uma agenda nacional, porém modesta. Conserva datas anuais em São Paulo, para um máximo de 50 pessoas, e Curitiba.

MEGA-SHOW DE ANIVER
Além dos shows comemorativos ocorridos ao longo do ano, há um projeto de um grande espetáculo de aniversário, envolvendo “mega-banda, orquestra de câmara e locutor paulista”. A idéia inicial de lançar um DVD, que chegou a ser divulgada na mídia, tornou-se incerta: a captação envolve em torno de 200 mil reais, e embora a produção estude a Lei Ruanet, questiona-se a validade de investir em “um suporte (o de DVD, CD) em depreciação, tanto pela tecnologia atual de distribuir música, como pela demora do processo, por exemplo, gravar em março e lançar no fim do ano”. Diferentemente de Amém e Hi-Fi, o terceiro álbum ao vivo daria prioridade aos clássicos do cantor. Tal qual o repertório atual, que faz um balanço da trajetória em seu aniversário, distinto aos shows Lado B (com as canções menos exploradas comercialmente, o que inclui o último disco quase na íntegra) e Hi-Life (comemorando dez anos do ao vivo anterior).
O envolvimento com o show atual não abriu espaço para um novo álbum de inéditas. Nei admite ter apenas “esboços de gaveta”, mas ainda sem visualizar se o próximo trabalho dará continuidade ao intimismo MPBista de Translucidação (2006), considerado pelo autor um trabalho difícil (quanto à assimilação pelo público).

POETA EM PROSA
Nas cidades onde se apresenta, Nei promove sessões de autógrafo de seu mais recente livro, “É Foch !” (pronuncia-se Fóshi – alusão a um eminente marechal francês atuante no início do século). Em vista de que Thedy Corrêa e Duca Leindecker têm livros publicados e Humberto Gessinger anunciou que fará o mesmo, questiono a Nei, se lançar livros (o que ele fez pela primeira vez há 20 anos) é uma tendência natural para os músicos. “Não só músico, todo mundo quer lançar um livro, plantar uma árvore e ter um filho”, brinca o cantor, com o clichê. “Mas no caso do músico, se é conhecido, a editora já se interessa sem ler. (risos) E costumamos ter fome de prosa, porque escrever letra é uma atividade ‘neurótica’, principalmente no meu caso que componho primeiro a música”, confessa, tendo um calafrio só de pensar em escrever.
“É Foch !” compila justamente escritos extra-musicais de Nei, que colaborou com crônicas para Zero Hora (quinzenalmente) e Extra-classe (mensal, veículo ligado ao Sinpro) até a época da concepção do álbum Translucidação. “Foi uma experiência muito legal, apesar da minha falta de tarimba e lentidão para escrever; o que atrapalhava no fechamento”.

DEU NA TV
A percepção de Nei quanto a mídia transparece em algumas de suas letras, como “Deu na TV”, do álbum Relógios de Sol (2001). Será que para o poeta nada se salva na grade da TV ? “Na Globo News, assisto os comentaristas para poder falar mal deles, e o programa Milenium. Além de outros programas de entrevistas e documentários no canal GNT. O seriado Law and Order, da Universal, é um vício”, admite. “Mas hoje a TV é só uma entre outras telas, como a da internet, por exemplo”.

Camiseta alvirrubra com que Nei foi presenteado agradou, pelas cores em comum com seu favorito no futebol gaúcho

Camiseta alvirrubra com que Nei foi presenteado agradou, pelas cores em comum com seu favorito no futebol gaúcho

NEI TEJERINHA
Mais do que rock, a música de Nei tem elementos que variam da MPB ao blues de cabaret, e em alguns momentos assimilaram uma genética latina, denunciada por títulos como “Cha cha cha Moderno”, e letras como “pop art meio bolerão”. Nei revela que a influência da vizinhança resume-se ao Uruguai, pátria de origem da família Tejera, de seu avô, e com cuja cultura teve um “namoro” na produção do disco “Amém”. Na época, promovia inusitadas reuniões de músicos locais com uruguaios, como Jorginho do Trompete com Maurício Trobo, “Lobo” Nuñez e Ruben Rada.

A influência latinoamericana mais ampla sobre Nei vem da literatura. Vários autores dessa origem, dividem com os beats as maiores referências literárias do cantor. “Sou um leitor comum, não um intelectual”, adverte. “Nas entrevistas perguntam que livro estou lendo e sou bem sincero: nenhum !”.

CLIQUE NO COCO… E OUÇA O NEI NA FAIXA
Devido a seu perfil democrático, Nei procurou oferecer aos fãs mais que discos, livros e shows e investiu na tecnologia: seu site oficial é constantemente aprimorado, sendo rico em material, incluindo seu acervo completo. Foi desenvolvido o programa “Webvitrola Cliquenococo”, que permite o acesso online (via streaming) a toda a discografia (incluindo dois títulos fora de catálogo), shows extra-oficiais e vídeos. Parte das faixas pode ser baixada legalmente – o músico chegou a pagar ao ECAD para ofertar sua obra. Sobre a distribuição de material pela Internet, argumenta: “é inutilidade jogar contra. A indústria tem uma percepção equivocada das possibilidades e agiu da pior maneira quanto a isso. As vendas de CD caíram não só devido aos downloads mas por ´N´ motivos: as gravadoras seguem inflacionando o preço, e um cartel de quatro majors domina 80% do mercado mundial. Chamo pirataria às vendas de calçada, ligadas à máfia chinesa e sem pagamento de impostos. A troca de arquivos via rede, ponto a ponto, é salutar”. Está prevista para breve a primeira transmissão ao vivo pelo site, após a conclusão de testes técnicos.

BERLIM/BONFIM/CIDADE-BAIXA
Na produção antiga de Nei, certo bairrismo gaúcho transparece em elegias a valores típicos de Porto Alegre, como “Berlim-Bonfim”. Hoje fora do tradicional bairro (divulgado nacionalmente pelo “Magro do Bonfa”) em que morou por décadas desde os oito anos de idade, Nei cantava a boemia inerente ao local, mas admite que a mesma se desfez no final dos anos 90: “só sobrou o Ocidente, do que havia”. Para ele a Cidade Baixa hoje concentra as opções noturnas.

NEI PARA CRIANÇAS – EXCLUSIVIDADE DA MARIA CLARA
Nos últimos dias em Bagé, houve quem especulasse que Nei fosse pai da atriz Mel Lisboa, destacada por minisséries e novelas globais há alguns anos. Apesar do sobrenome, Mel é na verdade filha de Bebeto Alves, um dos antigos parceiros musicais de Nei.
Já Maria Clara, sim, é o nome da pequena criação de Nei que passou a dividir o tempo do músico com a arte, nos últimos seis anos. Nei admite estimular na menina o gosto pela música, “da mesma forma que faria se (a música) não fosse meu trabalho; nada excepcional. Propiciamos a ela conteúdos legais, tentando escapar do circuito da Xuxa e das coisas que imbecilizam, tratam a criança como um adulto idiota”. Nessa proposta, apresentou à filha os grupos Palavra Cantada e Cuidado Que Mancha. Demonstra expectativa quando comentamos sobre o Pequeno Cidadão, projeto de Arnaldo Antunes e Edgard Scandurra voltado ao público infantil.

“NÃO DÁ PRA CONTAR ESTRELAS QUE BRILHAM NO FIRMAMENTO…”
Entre tantas atividades, Nei ainda encontra tempo para ativismo político, emprestando seu talento à ideologia que acredita. Essa face se tornou bem conhecida no pleito de 2002, em que Nei aparecia na mídia regional interpretando “Agora é Lula”, de Péri e Duda Mendonça. O engajamento é constante: no último fim de semana Nei engrossou o coro Fora Yeda no Parque Marinha do Brasil. “Não tenho afiliação partidária ou compromisso. O ideário me corresponde apenas, e as realizações como as que vejo em Bagé. Conheço as divisões internas, mas quero ver um partido unido… e vitorioso !”

Nei conheceu a simpatia e profissionalismo da imprensa local

Nei conheceu a simpatia e profissionalismo da imprensa local

HEIN ?! QUEM ?! (NEI PARA NEÓFITOS)

Nome fundamental da música gaúcha (em um estilo rotulado eventualmente como MPG), Nei celebra em 2009 três décadas de carreira musical, além de 50 anos de vida.

Iniciou seus shows no final dos anos 70. Na época, o bairro bonfim era uma espécie de celeiro artístico, a partir da lendária esquina maldita. Entre os convivas de Nei iniciante, Gelson Oliveira, Bebeto Alves, cineastas como Carlos Gerbase, e atores como o performático Antônio Carlos Falcão, mais popular por sua imitação de Maria Betânia.
Em 1979, o antológico espetáculo Deu Pra Ti Anos 70, que execrava debochadamente a década moribunda, atingiu popularidade, inspirando mais tarde o filme homônimo. Nei era acompanhado pelo guitarrista Augusto Licks, que mais tarde alcançaria fama nacional ao entrar para os Engenheiros do Hawaii.

Humberto Gessinger também foi um parceiro importante na época do Carecas da Jamaica (1987), cuja faixa-título é um dueto. “Deixa o Bicho” é composição do Alemão.

Em 1993, gravou “Quebra-cabeça” com o Cidadão Quem para o álbum do estréia, Outras Caras.

No final dos anos 90 realizou a primeira temporada conjunta com Vitor Ramil, onde tocavam seus respectivos sets e formavam duo para clássicos de ambos, como “Dirá, Dirás” e “Sapatos em Copacabana”, e de terceiros como os Beatles.

Nos últimos anos, Nei participou da transposição de suas composições para ambiente de concerto, como quando as executou em conjunto com a Orquestra de Câmara da Ulbra.

Também vem sendo regravado por nomes que transitam de artistas de Nenhum de Nós a Caetano Veloso (trilha do longa nacional Meu Tio Matou Um Cara), e mais recentemente, Zélia Duncan.

Nei tem uma identificação maior com as bandas gaúchas emergentes nos anos 80, como ele, e interagiu muito mais com estas do que com nomes do cenário atual, entre os quais somente a Pública dividiu palco com ele recentemente.
Questionado sobre uma eventual falta de reconhecimento dos nomes históricos da música do RS, Nei acha natural que os jovens tendam a identificar-se com os artistas de sua geração. Recorda um cartoon muito ilustrativo desta situação, em que jovens vêem um anúncio de Bob Dylan e comentam: “Olha, o pai do Jakob, do Wallflowers, também toca !” Como exceção, “de vez em quando se exuma alguma coisa do passado, como eu mesmo (risos)”.

Natural de Caxias, recebeu este ano do Legislativo daquele município o título de Cidadão Emérito Caxiense.

Agradecimentos:
Ana Lombardi, produtora do show de Nei
City Hotel